Tratar e prevenir a obesidade - todos devem ajudar!

"A nutricionista do reino foi chamada no mesmo dia e, após cuidada observação, foi perentória no diagnóstico: tratava-se claramente de uma obesidade e era preciso intervir de imediato. Todos deviam colaborar no tratamento da princesa."

in "História de uma princesa obesa e de um dragão que cuspia bolas de sabão"





Desengane-se se acha que a obesidade não é uma doença! É, e é uma doença grave!


São vários os factores que estão na origem do seu desenvolvimento, entre eles os hereditários, hormonais, socioeconómicos, culturais, educativos, etc... 
Na maioria dos casos deve-se sobretudo ao facto de a ingestão de calorias ser superior ao gasto energético. Esta situação leva ao depósito do excesso sob a forma de gordura corporal.

A obesidade para além de ser um problema de natureza estética e psicológica, acarreta um grande risco para a saúde.
Muitos obesos apresentam limitações de movimento, têm propensão para infeções na pele (nas dobras de gordura) e estão em risco de adquirirem uma série de doenças graves como:
Hipertensão arterial;
Doenças cardiovasculares;
Diabetes tipo II;
Cancro;
Osteoartrite;
Problemas respiratórios;
entre outras.

Estas complicações não são só nos adultos, as crianças sofrem de igual forma. 

Assim, e como doença que é, a obesidade deve ser tratada. 

O importante é que todos à volta contribuam positivamente: os profissionais de saúde devem prescrever o tratamento correto, os pais devem dar o exemplo, os amigos devem incentivar.

Dietas loucas - isso é que não!

"A Branca de Neve sugeriu uma dieta que a tinha ajudado a perder alguns quilos, 
à base de maçãs vermelhas.
A Bela Adormecida recomendou uma dieta do sono, 
que tinha feito maravilhas pela sua pele.
A Princesa Sereia aconselhou uma dieta à base de plâncton 
(coisa que a princesa nem sabia o que era, mas que depois de consultar alguns livros descobriu ser o alimento dos pequenos peixes). (...)"

in "História de uma princesa obesa e de um dragão que cuspia bolas de sabão"



De nada adianta seguir dietas loucas, se depois não houver uma reeducação alimentar e uma mudança no estilo de vida, nomeadamente na realização de alguns exercícios diários.
Além disso, estas alterações são cruciais para que, após o fim do tratamento, não se recupere com facilidade os antigos hábitos alimentares nem o peso perdido.

Lembre-se que neste tipo de dietas, o que mais se perde é massa muscular e água, ocorrendo pouca redução de gordura e por serem pobres em muitos nutrientes, os efeitos adversos mais comuns, a médio prazo, são: fraqueza, pele seca e baça, queda de cabelo, ansiedade, depressão, náuseas, vómitos, diarreia e obstipação. A longo prazo, podem provocar sérios riscos para a saúde.

Importa esclarecer que o que nos faz emagrecer é gastarmos mais calorias do que as que ingerimos.
Assim, apesar de encontrar muitas dietas e planos em livros, sites, etc, recorde que o acompanhamento por um profissional é fundamental para que a sua perda de peso seja feita de forma saudável. 



Dieta Mediterrânica e Roda dos alimentos - É um casamento possível?

É mais do que possível!!!! O casamento perfeito acabou de acontecer!!!

Acabadinha de lançar a nova Roda da Dieta Mediterrânica!

Inspire-se e adote este padrão alimentar tão característico do nosso país!


Destacamos as palavras do blog Nutrimento da DGS:
"É uma representação gráfica que assenta na Roda dos Alimentos Portuguesa; pretende-se dar ênfase às características do padrão alimentar mediterrânico (PAM), salientando não só a componente alimentar, mas também os elementos inerentes ao seu estilo de vida."

O que não deve fazer quando prepara um sumo natural!

Nesta altura de muito calor, os sumos naturais podem ser excelentes alternativas a outras bebidas açucaradas e sem interesse nutricional para hidratar miúdos e graúdos.

Image Credit: healthyfoodstyle


Contudo, existem três erros que não deve cometer ao prepará-los!

Não coe! Se o fizer estará a perder toda a fibra e muitas das vitaminas e minerais.

Não guarde no frigorífico! Com o passar do tempo as vitaminas e minerais vão-se perdendo.

Não adicione açúcar! Esta não preciso explicar, pois não? :)

Nunca é demais relembrar que de qualquer das formas a água é sempre a bebida de eleição! Lembre-se da Roda dos Alimentos e onde está posicionada a água: no CENTRO!





Bullying e obesidade - uma explosão em tempo real

"À semelhança das princesas de outras histórias, esta princesa vivia presa na torre mais alta do
castelo. Enfim, literalmente presa. Na verdade, ela era tão bela, quanto gorda.
Gorda não, que ninguém lhe chamava isso. Provavelmente porque não queriam magoá-la.
Sim, que as palavras às vezes magoam as pessoas. Mas dizia-se pelo castelo que ela era
fortezinha, redondinha, cheiinha, bochechudinha e outras coisas terminadas em ‘inha’
que, de uma forma mais educada, queriam dizer que ela tinha peso a mais."

in "História de uma princesa obesa e de um dragão que cuspia bolas de sabão"



Sabia que as crianças e adolescentes com excesso de peso e obesidade apresentam 60% mais hipóteses de sofrerem de bullying na escola? 

O bullying existe nas mais diversas idades e nos mais diferentes contextos. Infelizmente, as crianças com excesso de peso e obesidade não estão livres deste acontecimento e com frequência sofrem na pele este tipo de violência. Sim! É um tipo de violência!

São diversos os estudos que comprovam que a obesidade não tem só impacto na saúde, já que tem também a nível de interações sociais e bem estar emocional, nomeadamente na autoestima. Estas consequências podem ser quer a curto como a longo prazo, podendo, por isso, influenciar o futuro destas crianças. 

Atualmente sabe-se que uma criança com obesidade terá consequências psicológicas e sociais indesejáveis, já que experimentará relações menos positivas com os seus pares de peso normal, ou seja, com as crianças da mesma idade. 

Não deixe que isso aconteça! 

Por um lado, promova um estilo de vida saudável aos seus mais-que-tudo e por outro, esteja atento caso surjam alterações de comportamento (incluindo as compulsões alimentares) e de humor. 

Lembre-se que os jovens nem sempre têm capacidade para resolver o problema sozinhos nem coragem para procurar ajuda, quer seja dos pais, amigos ou dos professores.

As 10 regras da Dieta Mediterrânica

A Dieta Mediterrânica foi, em 2013, inscrita na lista do Património Imaterial da UNESCO.

É importante ressaltar que "o Mediterrâneo é um modo de ver, pensar e agir, um modelo de vida comunitária" e que "esta cozinha não é um regime alimentar, é um modo de vida".



1. Utilize confeções simples que protegem os nutrientes, como as sopas, os cozidos, os ensopados e as caldeiradas

2. Faça um elevado consumo de produtos vegetais em detrimento do consumo de alimentos de origem animal (lembre-se que mais de metade da Roda dos Alimentos é de origem vegetal)

3. Consuma com mais frequência pescado em vez de carnes vermelhas

4. Prefira pão e cereais pouco refinados, leguminosas secas e frescas, frutos secos e oleaginosos

5. Consuma produtos vegetais produzidos localmente, frescos e da época, como a fruta e os legumes

6. Opte sempre pelo azeite como principal fonte de gordura

7. Faça um consumo moderado de laticínios

8. Utilize ervas aromáticas para temperar em detrimento do sal (uma das minhas dicas preferidas :) )

9. Beba vinho de forma moderada e apenas nas refeições principais

10. A água deve ser a principal bebida ao longo do dia


Ah! E não esqueça, conviva à volta da mesa e não descure na atividade física!

Gordura: um dos quatro vilões

As gorduras não são todas iguais!

De uma forma simplista, podem classificar-se em:

“boas” – as insaturadas (mono e polinsaturas, onde se inclui o ómega 3). Estas gorduras são consideradas preventivas, pois contribuem para a prevenção das doenças cardiovasculares. São fornecidas pelo azeite, óleos vegetais, frutos oleaginosos (nozes, amêndoas, avelãs…), sementes (girassol, abóbora, linhaça, sésamo…) e pescado. Os alimentos ricos em gordura também são uma fonte de vitaminas específicas onde se incluem as vitaminas A, D, E e K.

“más” - as saturadas e as “trans” ou hidrogenadas. Estas gorduras elevam o colesterol LDL (“mau colesterol”), responsável por diversas doenças cardiovasculares. As gorduras saturadas podem ser encontradas maioritariamente nos alimentos de origem animal, como no leite e derivados, na carne de porco e vaca e nos seus derivados. No caso das gorduras hidrogenadas podem ser encontradas nos produtos industrializados tais como certas bolachas, gelados e produtos de charcutaria. A leitura atenta do rótulo é essencial.

TOME NOTA: A gordura em excesso (independentemente do tipo) por ser muito calórica, pode contribuir para o aumento de peso e obesidade. Controle o seu consumo.


Veja este vídeo da Becel que ajuda a perceber o que é o colesterol.