Dietas loucas - isso é que não!

"A Branca de Neve sugeriu uma dieta que a tinha ajudado a perder alguns quilos, 
à base de maçãs vermelhas.
A Bela Adormecida recomendou uma dieta do sono, 
que tinha feito maravilhas pela sua pele.
A Princesa Sereia aconselhou uma dieta à base de plâncton 
(coisa que a princesa nem sabia o que era, mas que depois de consultar alguns livros descobriu ser o alimento dos pequenos peixes). (...)"

in "História de uma princesa obesa e de um dragão que cuspia bolas de sabão"



De nada adianta seguir dietas loucas, se depois não houver uma reeducação alimentar e uma mudança no estilo de vida, nomeadamente na realização de alguns exercícios diários.
Além disso, estas alterações são cruciais para que, após o fim do tratamento, não se recupere com facilidade os antigos hábitos alimentares nem o peso perdido.

Lembre-se que neste tipo de dietas, o que mais se perde é massa muscular e água, ocorrendo pouca redução de gordura e por serem pobres em muitos nutrientes, os efeitos adversos mais comuns, a médio prazo, são: fraqueza, pele seca e baça, queda de cabelo, ansiedade, depressão, náuseas, vómitos, diarreia e obstipação. A longo prazo, podem provocar sérios riscos para a saúde.

Importa esclarecer que o que nos faz emagrecer é gastarmos mais calorias do que as que ingerimos.
Assim, apesar de encontrar muitas dietas e planos em livros, sites, etc, recorde que o acompanhamento por um profissional é fundamental para que a sua perda de peso seja feita de forma saudável. 



Sem comentários:

Enviar um comentário